Lancha Poveira

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Lancha Poveira

Exposição documental “Centenário do Naufrágio do Veronese: socorro prestado pelos poveiros”

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

Exposição documental
“Centenário do Naufrágio do Veronese
socorro prestado pelos poveiros”

De 12 de Abril a 21 de Maio
Na Biblioteca Municipal

No âmbito do programa do Centenário do Naufrágio do navio inglês “Veronese”, iniciado no ano passado pela Associação Humanitária de Matosinhos e Leça da Palmeira (Bombeiros Voluntários), em colaboração com a Associação Cultural Amigos de Leça da Palmeira, a Biblioteca Municipal Rocha Peixoto vai inaugurar uma Exposição Documental centrada na estreita ligação dos poveiros a este naufrágio.

A inauguração e sessão evocativa terão lugar no próximo dia 12 de abril, sábado, pelas 16h00.

A exposição será constituída por painéis ilustrativos e documentação variada sobre o naufrágio, a operação de salvamento e a ação da tripulação do barco salva-vidas “Cego do Maio” nesta missão.

 

 

“Artes de Pesca: Pescadores, Normas, Objetos Instáveis”

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

“Artes de Pesca: Pescadores, Normas, Objetos Instáveis”
– Inauguração, dia 3 de Abril, 18h30

O Museu Nacional de Etnologia vai inaugurar a sua nova exposição temporária “Artes de Pecas: Pescadores, Normas, Objectos Instáveis”, no dia 3 de Abril, pelas 18h30. Contamos com a vossa presença!

Exposição que resulta de uma investigação conduzida no terreno, a partir de 2004, em estreita relação com um grande número de pescadores, de muitos locais da costa, associações e instituições que intervêm no domínio das pescas. Dela resultou a constituição de uma coleção de artes de pesca que agora é posta em articulação com a coleção dos anos 1960, já existente no museu. Muitas foram oferecidas pelos pescadores, nossos interlocutores. Outras, resultaram de acordos de colaboração com as várias capitanias marítimas, o que permitiu transferir para o museu artes e instrumentos de navegação apreendidos porque considerados em situação ilegal. A documentação produzida ao longo dos anos de pesquisa dá conta dos discursos dos pescadores sobre as normas que condicionam a sua atividade e se refletem na própria materialidade dos objetos, sua definição e instabilidade: permitidos ou não conforme o momento do ano, os locais, as leis que se foram sucedendo e até a compreensão e avaliação casuística. A recolha procurou preencher a maior diversidade de artefatos e tipos de materiais, técnicas, processos e funcionalidades, sobre a qual elaborar um sistema classificatório de referência para o seu inventário nos museus. O fio condutor da exposição é, por isso, também uma proposta de classificação para as artes de pesca, tomando em conta outras já produzidas por diferentes autores e instituições. A humanidade das práticas de pescas e a compreensão dos seus contextos sociais e organização do trabalho estão expressas nas filmagens feitas durante os anos de pesquisa, observação e constituição da coleção e nas imagens dos pescadores que no início do século XX passaram a ter a sua fotografia nos registos de inscrição marítima e agora habitam a exposição”.

________

“Exhibition which arose from a field conducted research, since 2004, in close relation with a great number of fishermen from several places of the coast, associations and institutions which intervene in the fishing domain. From it came the creation of a fishing gear collection which is now articulated with the 1960’s collection already existing in the museum. Many were offered by our interlocutor fishermen. Others, came from the agreement of cooperation with several maritime polices which allowed to transfer the gear to the museum, as well as navigation instruments apprehended for being in an illegal situation. The documentation produced along the years of research acknowledges the words of the fishermen concerning the norms which condition their activity and are reflected in the materiality of the objects, its definition and instability: allowed or not according to the time of year, the places, the laws that succeeded and even the casuistry comprehension and evaluation.  The gathering sought to fill the biggest diversity of artefacts and material types, techniques, processes and functionalities over which to elaborate a classification system of reference for its inventory in the museums. The guide line of the exhibition is thus a proposition of classification of fishing gear as well, taking in consideration others produced already by different authors and institutions. The humanity of fishing practices and the comprehension of their social contexts and the work organization are expressed in the films made during the years of research, observation and the making of the collection and in the images of the fishermen which in the start of the 20th century began having their picture in the records of maritime enrolment and now inhabit the exhibition”.

 

 

 

- Os Braços da Lancha -

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

Dim lights Embed Embed this video on your site

A “Fé em Deus” é uma embarcação de pesca tradicional de origem secular. Em 1991 foi reconstruída uma replica segundo normas e modelos tradicionais e representa uma das últimas lanchas poveiras a ir ao mar.
 O início da construção deu-se a 27 de Fevereiro de 1991 seguindo o sonho de Manuel Lopes um Poveiro amante da cultura e muito respeitado pela população. É desde então a embarcação tradicional portuguesa que mais navega por mar, promovendo a memória do pescador poveiro e português. Em 2012 a mesma embarcação persegue outro dos seus sonhos, rumo à Galiza fazendo aquele que é considerado o primeiro Caminho Maritimo para Santiago de Compostela. O sonho de Manuel Lopes é agora o sonho destes 17 tripulantes que na primeira pessoa contam a sua relação com a Lancha Poveira.

The "Faith in God" is a traditional Povoan fishing boat of secular origin. In 1991 a replica was rebuilt according to norms and traditional models and represents one of the last Povoan traditional fishing boats to go overboard.
 The start of construction took place at February 27, 1991 following the dream of the Povoan Manuel Lopes, a lover of culture and well respected by the population. It is the traditional Portuguese boat that navigates more by sea, promoting the memory of the Povoan and Portuguese fisherman. In 2012 the same boat chases another of his dreams, toward Galicia doing what is considered the first Sea Route to Santiago de Compostela. The dream of Manuel Lopes is now the dream of these 17 crew members, that tell their relationship with the Povoan boat in the first person.

 

Falecimento do Prof. Doutor Henrique Souto

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

No passado dia 6 de Março, faleceu o Prof. Doutor Henrique Nogueira Souto.

Este geógrafo e professor da Universidade Nova era vice-presidente da Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios, presidida pelo Município da Póvoa de Varzim.

Nasceu em Moçambique, onde residiu até 1976. Vivia e trabalhava em Lisboa.
Licenciado e doutorado em Geografia e Planeamento Regional pela Universidade Nova de Lisboa e professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da mesma Universidade.
Fotógrafo amados, várias vezes premiado (nomeadamente no International Garden Photographer of the Year nos anos 2007, 2011 e 2012, tendo sido o vencedor de duas categorias).
Tem fotografias publicadas em diversos livros e revistas.
Realizou a sua primeira exposição individual na Sociedade de Geografia de Lisboa, em 2009, e participou em diversas exposições colectivas, nomeadamente em Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte, Austrália, Estados Unidos da América (Nova Iorque), além de Portugal.

O Prof. Doutor Henrique Nogueira Souto (segundo da esq.) no 2º Encontro da Rede Nacional da Cultura do Mar e dos Rios, na Biblioteca Municipal Rocha Peixoto, 2 de Setembro de 2011.

 

 

O mar invade a Biblioteca - galeria de imagens

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

O Mar invade a Biblioteca
no Dia Nacional do Mar

De 15 a 20 de Novembro de 2013

mostras documentais | exposições temáticas | sessões educativas
sessão non-stop do filme Ala - Arriba, de Leitão de Barros no Diana-Bar

 

A celebração do Dia Nacional do Mar, a 16 de Novembro, é promovida a nível nacional pela Sociedade de Geografia de Lisboa, associando-se o Município da Póvoa de Varzim a esta efeméride, pela relevância da tradição do património marítimo local.

A partir do dia 15, o Mar invade todos os espaços da Biblioteca Municipal e Diana Bar com mostras documentais, exposições temáticas, destaque de música e filmes e sessões educativas.

Veja algumas imagens dos preparativos para as comemorações do Dia Nacional do Mar na Biblioteca Municipal Rocha Peixoto.

 

O mar invade a Biblioteca

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

O Mar invade a Biblioteca
no Dia Nacional do Mar

De 15 a 20 de Novembro de 2013

mostras documentais | exposições temáticas | sessões educativas
sessão non-stop do filme Ala - Arriba, de Leitão de Barros no Diana-Bar

A celebração do Dia Nacional do Mar, a 16 de Novembro, é promovida a nível nacional pela Sociedade de Geografia de Lisboa, associando-se o Município da Póvoa de Varzim a esta efeméride, pela relevância da tradição do património marítimo local.

No II Encontro da Rede Nacional de Cultura do Mar realizado a 2 de Setembro de 2011, na Biblioteca Municipal Rocha Peixoto foi atribuído ao Município da Póvoa de Varzim, a presidência da Rede, nestes dois anos, tendo-se alterado a designação para Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios, de forma a englobar o seu carácter plural.

No âmbito do Dia Nacional do Mar, a nível local, serão promovidas um conjunto de iniciativas, abrangendo vários eixos de programação, dirigidos a diferentes público-alvo, no sentido de reforçar as raízes culturais marítimas, aproximando a ligação passada, presente e futura de Portugal ao Mar, no contexto do património marítimo poveiro.

A partir do dia 15, o Mar invade todos os espaços da Biblioteca Municipal e Diana Bar com mostras documentais, exposições temáticas, destaque de música e filmes e sessões educativas.

No dia 15, sexta-feira, pelas 14h30, na Escola EB 2/3 Dr. Flávio Gonçalves será dinamizada a actividade "O Mar é Património: projecto da Lancha Poveira do Alto", por Manuel Costa, para alunos do 3º ciclo, sensibilizando os jovens para a salvaguarda da memória das embarcações tradicionais poveiras, do património naval, abordando as artes da construção naval, da navegação.

Nesse dia, no Diana Bar haverá uma sessão non-stop do filme Ala - Arriba, de Leitão de Barros.

O Dia Nacional do Mar é uma data comemorativa da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), que entrou em vigor a 16 de Novembro de 1994, tendo sido ratificada por Portugal a 14 de Outubro de 1997. Um ano mais tarde, em 1998, o dia 16 de Novembro foi institucionalizado pela Resolução de Conselho de Ministros n.º 83/1998, de 10 de Julho, como o Dia Nacional do Mar.

 

Salvar a arte

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

Candidatura a Património Cultural da Humanidade proposta pelo CEMAR - Centro de Estudos do Mar.

CEMAR 2013
Na fotografia: Barco-do-Mar "São José", do arrais José Monteiro, da Praia da Mira (foto um Helena Lopes; Paulo Nuno Lopes, a Safra, 1995); CEMAR . Centro de Estudor do Mar, Praia de Mira 2013.

 

DIA NACIONAL DO MAR - 2013

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

Dia Nacional do Mar - 2013

O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL), o Presidente da Câmara Municipal de Mira (CMM), o Director-geral do Instituto Hidrográfico, o Director do Centro de Estudos do Mar e o Presidente da Confraria Marítima de Portugal têm a honra de convidar V. Ex.ª e sua Ex.ma Família para participarem numa jornada comemorativa do Dia Nacional do Mar (16 de Novembro) que terá lugar na Praia de Mira e no dia 19 de Novembro na sede da SGL.

SGL 213 425 401/5 068 | geral@socgeografialisboa.pt
CMM 231 480 500 | gabinete.presidente@cm-mira.pt

 

PROGRAMA
"O Oceano: literacia e cidadania"

Praia de Mira
16 de Novembro (sábado)

- 11h00 | (Centro Cultural e Recreativo): Lançamento do programa informático de "previsão de ondas para a arte-xávega";

- 14h00 | (Museu Etnográfico e Posto de Turismo) Aposição inaugural do carimbo comemorativo, permanecendo o posto do correio ah-hoc aberto até às 17h00;

- 14h30 | (Centro Cultural e Recreativo): Colóquio "Património marítimo e economia azul";

-- | --

Sociedade de Geografia de Lisboa
19 de Novembro (3ª feira)

- 10h30 (átrio) | Inauguração de uma mostra alusiva ao barco "meia-lua", que estará patente atá ao dia 29 de Novembro;

- 14h30 (sala Algarve) | Painel sobre "A criação e manutenção de ambientes literatos ligados ao Oceano e às zonas costeiras;

- 17h15 (sala Algarve) | Sessão solene.

 

100 anos do naufrágio do Veronese

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
AddThis Social Bookmark Button

19 de Outubro de 2013

Salão Nobre da Associação Humanitária de Matosinhos-Leça 
(Bombeiros Voluntários)

Jornadas comemorativas do Centenário do naufrágio do Veronese

1ª Mesa (10:30-12:30h) 
José Felgueiras - Faróis da “costa negra” Drª Ivone Magalhães - Faróis da “costa muda” Arqtº António Menéres - Tragédias com os navios da companhia Lamport&Holt Line A.Cunha e Silva - O “Veronese” na arte portuguesa Moderador - Pedro Araújo

2ª Mesa (15-17h)
Dr. Manuel Costa / José de Azevedo - Memórias e Narrativas Dr.António Ramalho - As consequências físicas e clínicas dos naufragos Eng.Rocha dos Santos - “Veronese” evocação do naufrágio Dr.Joel Cleto - Registos cinematográficos do naufrágio Moderador - Dr. Albano Chaves

 


Pág. 1 de 19

Pesquisar

cmpv.jpg
cartaz_20_anos.jpg
DSC_2185[1].jpg

Em linha

Temos 3 visitantes em linha

Estatísticas

Membros : 5
Conteúdo : 264
Favoritos web : 49
Visualizações de conteúdos : 145100

Sindicância